SITUAÇÃO DOS PROFESSORES READAPTADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

SITUAÇÃO DOS PROFESSORES READAPTADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

 

Quem sou eu?

Sou um professor readaptado

que decidiu repartir sua história e experiência

para ajudar outros professores readaptados

a se verem como pessoas de novo.

 

Poucos conhecem a realidade

triste do professor readaptado.

 

Infelizmente poucos se importam com ela.

Muitos professores e gestores não imaginam

que a readaptação pode acontecer com qualquer um deles.

O professor readaptado é um funcionário sofrido.

Ele vem de uma doença, física ou psicológica, que lhe debilitou as forças.

Durante meses ou anos o professor lutou contra essa doença.

Frequentou médicos, hospitais, muitas vezes passou por cirurgias.

Enfrentou as perícias médicas, a diminuição de salário

(pois não estando na ativa perde várias gratificações),

e enfrentou o preconceito de certos gestores

que sempre acham que o funcionário não está doente: ele está inventando.

(...)

Muitas gestoras não sabem tratar com o professor readaptado.

Não conseguem incluir o funcionário –

que muitas vezes agora é um deficiente físico –

no convívio pedagógico.

O professor readaptado – doente fisicamente e agora em depressão –

tem seu quadro geral de saúde piorado com desrespeito, indiferença e até mesmo assédio moral.

Então ele/ela desce até o fundo do poço.

Destituído de toda dignidade profissional, tratado como um inútil,

explorado fazendo serviços que não lhe competem,

assediado, muitas vezes isolado, fazendo tratamentos de saúde

para a doença que foi a causa da readaptação,

agora ele também cai num psiquiatra

tomando calmantes e anti-depressivos tarja preta

e gastando ainda mais dinheiro.

Fala-se tanto de incluir alunos com deficiência no ambiente escolar

– mas como se várias gestoras

não conseguem nem incluir o professor readaptado?

Já temos tese de mestrado de uma professora readaptada

de Mogi das Cruzes mostrando a nossa realidade.

Uma triste realidade que precisa ser mudada!

Mais respeito ao professor readaptado!

Não ao preconceito! Não ao assédio moral!

Não à exploração no trabalho!

Sim à dignidade!

Professor readaptado também é gente!

 

Retirado do Blog de São Paulo:

http://professorreadaptado.blogspot.com.br/2010/11/triste-realidade-do-professor.html

 

Minha sincera solidariedade aos colegas readaptados

do Estado de São Paulo,

com votos que as autoridades revejam seus conceitos

sobre o sofrimento pelo que passam 

os professores readaptados.

Contem com esta professora readaptada da

Cidade do Rio de Janeiro.

A união faz a força!

Elizabeth Santanna

 

Pesquisar no site