ASSÉDIO PUNIDO

ASSÉDIO PUNIDO

Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho -  03 de Julho de 2012.

 

ASSÉDIO PUNIDO:

CÂMARA CONDENA SUPERMERCADO

EM QUE EMPREGADO

ERA TRATADO AOS BERROS E OFENSAS

Durante o tempo em que trabalhou no supermercado, o reclamante era tratado com menosprezo por seu superior imediato. As expressões variavam, mas guardavam sempre o mesmo sentido depreciativo: "lerdo", "lesma", "devagar", "burro". Se não ouvia as ordens do superior, este não demorava em chamar a atenção do subordinado, perguntando se "estava surdo" ou se "não tinha lavado os ouvidos naquele dia". As palavras ofensivas eram proferidas em alto e bom som, "de forma agressiva e nervosa, independentemente de quem estivesse próximo -cliente ou funcionário -e, em algumas circunstâncias, com o dedo apontado ao empregado", conforme declarou uma das testemunhas.

O relator do acórdão da 6ª Câmara do TRT-15, desembargador Francisco Alberto da Motta Peixoto Giordani, entendeu que "os prejuízos de ordem moral são evidentes e não podem permanecer impunes, autorizando a condenação ao pagamento de indenização". Na primeira instância, o juízo da 2ª Vara do Trabalho de Jaboticabal arbitrou em R$ 10 mil a indenização por danos morais a ser paga pela reclamada, em decorrência do assédio moral.

Inconformado, o supermercado recorreu, alegando que "diante do controverso conteúdo probatório produzido nos autos, onde existem quatro testemunhas, sendo duas de cada parte, e apenas uma delas confirma as alegações da exordial, e as outras três negam a existência, incluindo uma testemunha do próprio recorrido, não há como se aplicar a condenação, visto a exigência probatória concreta do caso específico".

Mas a Câmara entendeu diferente e confirmou a sentença, afirmando que a indenização "minimiza (mas não repara) o sofrimento psicológico do autor". O colegiado entendeu que ela "é necessária, inclusive, sob o aspecto punitivo e como mecanismo inibidor da prática, consoante pacífico entendimento doutrinário e jurisprudencial".

A Câmara entendeu que houve assédio moral no ambiente de trabalho do reclamante e que este foi exposto "a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas, no exercício das funções".

Uma das testemunhas revelou que não era praxe na reclamada o empregado responsável pela reposição de mercadoria fazer o controle de estoque, mas afirmou que presenciou o superior acusado de assédio mandar o reclamante, que era responsável pela reposição de mercadorias, fazer "algumas coisas que não eram da parte dele", como, por exemplo, "a contagem de pilhas de arroz". Disse ainda que "foram designados alguns serviços ao reclamante a título de punição ou castigo".

Outra testemunha afirmou que o chefe, especialmente com os novatos, costuma ser "agressivo e nervoso quando não fazem o serviço conforme sua determinação". Disse também que ele, além de ser áspero, falava "em tom um pouco elevado, de forma que qualquer pessoa que estivesse por perto ouvia, podendo ser cliente ou funcionário".

 

Pesquisar no site